Que Seja Doce, o Livro

Que seja doce

 Vou ter que usar aquele super clichê… “acaba de sair do forno”, rsrs, o livro do programa Que seja doce do GNT. Recheado de delícias e muitas informações certamente irá encantar quem é fã ou quem é curioso dos segredos de confeitaria.

  Este é o verso do livro… nham… 🙂

que seja doce

  E aqui aquela famosa “orelinha”…

Orelha

 O livro conta também com receitas do apresentador Felipe Bronze e dos jurados Roberto Strongoli, Carole Crema e Lucas Corazza.

chefs

 E é claro que as criações dos talentosos participantes estão todas ali, tintim por tintim (ahahh, essa é velha, né?)

doce

   Antes da doçura de sua autoria é passada uma breve biografia do participante… aqui o exemplo da chef Karina Migliorini (quem conhece a professora da Escola de Confeitaria Diego Lozano? Eu conheço! Adoro 🙂 )

Karina

Essa é a verrine de musse de coco com avelã, criação de Bianca Pansani Porteiro!

doce

 E esse é o bolo de limão siciliano e lavanda da Mari Corali!

bolo

 Acho que valeu muito a pena o investimento. Só que fiquei com uma raivinha pois na loja física (Saraiva) comprei por R$68 e no site está R$54,40… mesmo com o frete sai mais em conta 😉

Informação: este não é um publipost

Chef’s Table, uma série sempre atual

Chef's table

 Essa é uma série que não é novidade no Netflix, mas é tão boa, tão boa que vale a pena deixar como dica para quem ainda não viu. Isso, claro, para quem gosta de Gastronomia!

 São 6 episódios em que a vida dos chefs é o principal tema. As dificuldades, a criação, a busca pela melhor matéria-prima são alguns dos assuntos abordados. Tudo acompanhado por belas imagens e por uma trilha sonora que dá o tom de arte e criatividade necessário.

 O que me chamou muito a atenção foi que, não basta talento e um esforço descomunal, uma pitada de sorte é sempre bem vinda e pode representar um divisor de águas 🙂 (Episódio Mássimo Bottura). Também fiquei bastante impressionada com a forma como o pessoal pode afetar o profissional e vice-versa. Às vezes, não basta a dificuldade da rotina árdua, surgem entraves familiares a serem superados… como se fosse necessário uma energia extra para provar que se está no caminho certo (Episódio Niki Nakayama).

Em resumo, é uma série que alimenta a alma 🙂

Chefs da primeira temporada:

Massimo Bottura: Osteria Francescana – Itália

Dan Barber: Blue Hill Restaurant – Estados Unidos

Francis Mallmann: El Restaurante Patagonia Sur – Argentina

Niki Nakayama: N/Naka Restaurant – Estados Unidos

Ben Shewry: Attica Restaurant – Austrália

Magnus Nilsson: Fäviken – Suécia

Para se ter um “gostinho”:

Balas de Coco Gourmet (não necessita ir ao fogo)

Balas de Coco

Essa é a minha versão da bala de coco gourmet que anda fazendo tanto sucesso nas mesas de doces por todo o Brasil! Cheguei a este resultado após algumas tentativas, afinal nunca encontrei esta receita e o passo a passo simplesmente dando um “google”, rsrs… Sei que existem versões em que é necessário primeiramente fazer a bala no método tradicional (aquele em que se leva a calda ao fogo e que exige bastante malhação depois para puxá-la)… Existem também cursos muito bem pagos que ensinam os segredinhos.

Enfim, deixo aqui com vocês a minha versão “facilitada”, porém não menos saborosa 🙂

Ingredientes

* 1 garrafinha de de leite de coco (200 ml) – (nada do light, viu? é do gordo mesmo, rsrs)

* 11 xícaras (usando medidor de xícara) de açúcar impalpável

* 1 xícara de amido de milho (opcional)

Misturar todos os ingredientes até chegar ao ponto de modelar! Se ficar seca colocar mais um pouco de leite de coco. Se ficar úmida colocar mais açúcar impalpável!

Aqui (em Porto Alegre) estava muito úmido no dia que fiz da primeira vez… com essas medidas ficou num ponto bom! Recentemente fiz novamente e não adicionei a xícara de amido de milho e ficou bom também!

Detalhe: essa receita acredito que renda umas 300 unidades, dependendo do tamanho das balas… rende muito, então, se necessário, faça a metade!

Depois é pegar uma porção e abrir na mesa com o rolo de massa… usei o açúcar impalpável para não grudar, mas pode-se abrir a massa protegendo com um plástico também! Depois corte um pouco as bordas (formando um retângulo), apenas para emparelhar. No centro coloque o brigadeiro como se fosse uma “cobrinha”… feche a massa por cima, de forma que ela dê apenas 1 volta! Depois é passar a mão levemente nesse rolinho para deixar na espessura desejada.

Cortar em diversos pedacinhos no tamanho desejado. Importante é usar uma faca boa, lisa e ir sempre limpando entre um corte e outro num pano ou papel toalha para não deixar marcas do recheio. Num recipiente colocar coco ralado fino… Passar os pedacinhos pelo coco ralado fino.

Pegar cada pedacinho e dar um formato mais arredondado (colocar o pedaço de pé e dar uma achatadinha, dando a aparência como o da foto).

Pronto!!!!

  • Ah, é normal precisar lavar a mão várias e várias vezes! E na hora de colocar o brigadeiro é bom untar as mãos com manteiga/ margarina.
  • O ponto de brigadeiro é um pouco mais mole do que aquele de enrolar!
  • É bom deixar as balinhas algumas horas expostas ao ar para que sequem um pouco

Receita de um excelente brigadeiro gourmet 😀 😀 😀

Ingredientes

395 g de leite condensado

150 g de creme de leite (caixinha)

15 g de achocolatado

100 g de chocolate meio amargo (barra)

Modo de Preparo

Leve ao fogo o leite condensado, o achocolatado e o creme de leite misturados. Procure mexer com um fouet (batedor) em vez de uma colher. Isso dará mais cremosidade 😉 Assim que a mistura estiver aquecida adicionar o chocolate em barra em pedaços. Nunca pare de mexer! O brigadeiro estará pronto após aparecerem borbulhas grandes e, ao inclinar a panela, se observar o fundo. Diferente do brigadeiro tradicional o ponto do gourmet não é aquele em que a massa se desgruda totalmente da panela! Transferir a massa da panela para um recipiente. Cubrir com plástico filme e levar à geladeira. Utilizar após umas 4 horas de descanso… ou no dia seguinte. Delícia!!!

Utensílio desejo da semana: Microplane

Microplane

Há muito tempo estava em busca do Microplane, um utensílio muito bacana e que facilita bastante a vida de “ralação” na cozinha. Não é um simples ralador porque com ele podemos retirar as raspas das frutas com mais delicadeza e facilidade, sem atingir a parte branca (responsável pelo amargor nas preparações). Feito de aço cirúrgico é super resistente e não perde o fio.

Existem algumas variações, inclusive para utilizar em trabalhos com madeira. Então é realmente um utensílio maravilhoso 🙂

No mercado encontram-se modelos para casca de cítricos, chocolate, gengibre, coco, alho, queijos em geral, batata, maçã e legumes. Também existem os próprios para noz moscada, canela e outros temperos.

Microplane

Minha esperança era encontrar um Microplane na ida ao Sirha. Lá encontrei um micro Microplane. Os furinhos são idênticos aos do Microplane original, porém eles não vão até a borda. Ele também me parece ser um pouco mais curto. De qualquer forma achei excelente e super em conta, tendo em vista que o preço no Brasil muitas vezes fica acima de R$100 (apesar de no exterior ficar na média dos $15). O meu custou R$27 e mais alguns centavos 🙂

A seguir mais fotos e o contato do fornecedor 🙂

Microplane

Microplane

Microplane

Microplane

Obs1.: Este texto não é um publieditorial.

Obs2: Fotos 1 e 2 extraídas de thekitchn.com

Como Saí do Buraco

Como Saí do Buraco

Esse livro é muito bom! Uma leitura muito leve, gostosa, daquelas que fluem e quando se vê o livro já terminou. Não são simplesmente conselhos financeiros, mas sim a história real de Vagner Menezes Pereira, o Fly 🙂 Sim, ele que é mais conhecido como artista, bailarino, coreógrafo!

Confesso que fiquei meio desconfiada… como assim o cara vai falar sobre economia, dívidas e superação? Mas fiquei tão encantada que na livraria já tinha lido umas 30 páginas e 4 horas após a compra já havia chegado ao final.

Muito mais do que dar dicas, “Como saí do buraco” fala sobre sonhos e iniciativa. É a história de um menino que saiu de uma vida muito humilde, enfrentou muitos percalços, apostou na sua veia empreendedora e, com muita alegria, se tornou um vencedor.

Vale a leitura!

Um dos trechos que mais gostei 🙂 :

“Dessa época, lembro quantas vezes ouvimos de produtores, DJs e empresários a máxima: “Vamos dar uma força para vocês. Vai ser bom pro You Can Dance se apresentar em tal lugar.” Quase sempre, ao final da apresentação, não recebíamos cachê algum, apenas a “força” dos que se diziam amigos. Logo aprendi uma frase da atriz e diretora Cacilda Becker que nunca mais deixei de usar quando alguém vinha com essa historinha: “Não me peça de graça aquilo que eu tenho pra vender.” Virou meu lema.”

Cheesecake ao Estilo de Nova Iorque

cheesecake

Que tal um cheesecake delicioso, com textura aveludada e equilibrado por uma geléia tão “diliça” quanto?

Requer um tempinho de forno, mas vale a pena!!!

Segue a receita…

Ingredientes

Massa para a base
• 400 g de biscoito maisena triturado
• 110 g de manteiga sem sal derretida

Recheio
• 60 g de creme de leite
• 1490 kg cream cheese em temperatura ambiente
• 360 g de açúcar refinado
• 300 g de ovos tipo extra
• 40 g de gemas
• 1 colher (sopa) de raspas de laranja (ralada na hora)
• 1 colher (sopa) de raspas de limão
• 1 colher (sopa) de essência de baunilha
• 54 g de farinha de trigo

Geléia de Frutas Vermelhas
• 600 g de frutas vermelhas (usei 400 g de morangos e 200 g de cerejas – com e sem talo)
• 360 g de açúcar refinado
• 140 g de água
• suco de 1 limão

Preparo

Massa para a base
• Misture o biscoito triturado com a manteiga
• Coloque esta massa no fundo de uma forma, prensando
com uma colher
• Unte as laterais com manteiga. Leve ao freezer enquanto prepara o recheio!

Recheio
• Na batedeira com a raquete, bata o creme de leite com o cream cheese em velocidade baixa
• Adicione o açúcar e bata um pouco
• Coloque os ovos, as gemas, as raspas (laranja e limão) e a essência de baunilha
• Adicione a farinha de trigo
• Utilize na montagem

Geléia de Frutas Vermelhas

• Coloque em uma panela as frutas vermelhas, o açúcar refinado e a água, cubra com água, leve ao fogo alto
• Deixe ferver, abaixe a potência do fogo e deixe reduzir pela metade
• Retire do fogo e adicione o suco de limão coado
• Deixe esfriar
• Utilize na montagem

Montagem

• Coloque o recheio sobre a massa base já prensada
• Asse por aproximadamente 15 minutos a 200 graus
• Desligue o forno e deixe o cheesecake dentro por cerca de 20 minutos
• Ligue o forno na temperatura de 100 graus e asse por 1h20
• Quando estiver pronto, passe uma faca em volta (assim ele não rachará no meio)
• Deixe esfriar lentamente antes de colocar na geladeira (por cerca de 6 horas)
• Deixe na geladeira por pelo menos 24 horas para que a textura fique melhor
• Cubra com a geléia de frutas vermelhas
• Sirva fria

Outra opção de geléia é a de pasta de frutas silvestres que utilizei em um cheesecake menor:

Ingredientes

• 60 g de pasta de frutas silvestres (foto)
• 30 g de açúcar refinado
• 90 g de á
gua

Levar tudo ao fogão até chegar na textura desejada!

pasta frutas silvestres

Resultado!!!!!!!!!!!!

cheesecake

A receita rendeu os dois cheesecakes das fotos a seguir: um na forma de diâmetro 26 cm e outro na de 12 cm.

cheesecake

cheesecake

Olha como fica a fatia! Humm… delícia demais!!! Quem vai correr para comprar os ingredientes em 3, 2, 1…?

cheesecake

Coupe du Monde de la Pâtisserie Brasil

Coupe

Com muita criatividade e adrenalina ocorreu ontem a “Coupe du Monde de la Pâtisserie Brasil”, competição realizada durante o Sirha 2015 no Rio de Janeiro.

Durante 6 horas os candidatos Ataide de Sousa (RJ) e Marcone Santos (SP) na categoria açúcar; e Emanuel Pinheiro (RJ) e Abner Ivan (SP) na categoria chocolate elaboraram suas criações, sendo observados pelo júri e também por um grande público acomodado em duas arquibancadas.

A missão na categoria açúcar era criar duas tortas geladas de frutas, duas tortas de chocolate e uma peça artística em açúcar e da categoria chocolate duas tortas geladas de frutas, oito sobremesas empratadas com chocolate e uma peça artística em chocolate.

Fizeram parte do júri os chefs: Arnor Porto (Sweethings), Dominique Guérin (Boulangerie Guerin), Fabrice Lenud (Pâtisserie Douce France), Flavio Federico (consultor), Ramiro Bertassin (Hotel JW Marriott Rio de Janeiro) e Renata Arassiro (Chocolates Renata Arassiro).

Após tanto trabalho foram divulgados os vencedores: Chef Marcone Calazans (categoria Açúca) e o o Chef Abner Ivan (da categoria Chocolate).

Os dois estão classificados para a Copa Maya, que será realizada no México em 2016.

Confira mais detalhes nas fotos abaixo (agradecimentosDiogo Pereira Fotografia)!

O mestre de cerimônias e chef Guga Rocha entrevista Claude Troisgros

Guga e Claude

Chef Abner Ivan trabalhando na sua escultura

Abner Ivan 2

Abner Ivan 1

Abner Ivan 4

Abner Ivan 3

Abner Ivan

Chef Marcone Calazans e sua escultura de açúcar

Marcone Calazans

Jurados avaliam as criações

avaliação da escultura

Chef Emanuel Pinheiro observa suas obras

Emanuel Pinheiro

Entremets

entremet 1

Entremet de banana com amarula

entremet 2

Detalhe do entremet

entremet